Portugal perdeu riqueza e prosperidade com a introdução do Euro (- 40.604 euros por habitante)
Monday, June 17, 2019.

Desde a Introdução do euro (1999 até 2017), o impacto da moeda comum na prosperidade dos países só foi positivo para Alemanha, Holanda e Grécia, tendo estes gerado mais riqueza do que teria sido sem o euro, como relata o resultado de um estudo realizado pelo “Centrum für Europeische politik” in Freiburg.

O efeito de prosperidade euro-Estado foi para a Alemanha 1.893 000 milhões de euros (1,893 trilhões de euros), o que corresponde a um ganho de cerca 23.000 euros por habitante.

West Norwood – Londres

Para a Holanda 346.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 21.003 euros por habitante.

Para a Grécia 2.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 190 euros por habitante.

Os restantes países perderam riqueza e prosperidade

A Espanha perdeu 224.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 5.031 euros por habitante.

A Bélgica perdeu 69.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 6.370 euros por habitante.

Portugal perdeu 424.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 40.604 euros por habitante.

Caixa Geral Depósitos

A França perdeu 3.591.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 55.996 euros por habitante

A Itália perdeu 4.325.000 milhões de Euros, o que corresponde a cerca de 73.605 euros por habitante

No que se refere a Portugal passo a citar o que o Estudo diz: “Portugal beneficiou apenas ligeiramente do euro nos primeiros anos após a sua introdução. Nos anos seguintes, o euro conduziu cada vez mais a um declínio da prosperidade. Cumulativamente, conduziu a perdas de prosperidade. Só em França e em Itália as perdas foram ainda maiores. Portugal deve implementar reformas para aumentar o PIB per capita para poder beneficiar do euro a médio prazo. Por exemplo, as condições-quadro para o investimento devem ser melhoradas e as despesas públicas utilizadas menos para o consumo e mais para o investimento”.

(Quem mais perdeu foram os emigrantes que se encontram em países de moeda forte.)

Portugal parece estar a recuar permanentemente; não há uma política económica comum de caracter sustentável de governo para governo. A Geringonça está mais interessada no consumo do que na produção e em faz política partidária com 35 horas para os empregados do estado (assim a esquerda assegura um grande potencial de eleitorado nos empregados públicos) enquanto a Alemanha faz política de Estado incrementando investimentos e impondo aos funcionários do estado 40 horas semanais. Também a Itália, a longo prazo, se encontra em situação parecida à de Portugal. Segundo o estudo, a Espanha encontra-se no bom caminho.

Advogados internacionais

De facto, neste sistema só os países que apostem na qualidade e na produção manterão a pedalada dos mais fortes num mundo cada vez mais a favor dos grandes e dos que não têm medo de mudanças estruturais. Nesta concorrência os que ganham na zona Euro, são os mesmos vão ganhar na globalização liberal.

Em geral os países usufrutuários do euro conseguiram riqueza sobretudo devido às exportações e lucraram devido a salários baixos, alta qualidade e a desvalorização do euro em 20% em relação ao dólar e ao iene.

O estudo investigativo também se serve da comparação de países sem o euro mas de estruturas semelhantes (Japão)

Quem adoptou o euro terá de estar consciente que para não passar à parte de trás da liga terá de aumentar e aperfeiçoar a produção atendendo à filosofia económica desses países e à consequente concorrência.  Não chega ir vivendo do consumo, dos emigrantes e do turismo.

Saídas semanais para Portugal

O Euro é uma moeda de alto risco para quem não produza em termos de alta concorrência, porque não pode usar o truque da desvalorização da moeda que defende a própria produção, mas castiga o cidadão que se vê obrigado a comprar sobretudo produtos nacionais porque os estrangeiros se tornam mais caros.

No sistema partidário português, que se diz em boa companhia com a EU, terá de haver um consenso nacional com uma correspondente estratégia de dar resposta às exigências do sistema. A economia liberal que o país adoptou soberanamente não dá lugar para desculpas nem culpabilização de uns partidos em relação aos outros. Não haverá congruência de discurso sempre que num sistema não se incrementam políticas coerentes com o sistema em que vive e na continuidade. Como em Portugal a política vive de ciclos de eleição para eleição não haverá hipótese de se sair da precaridade em relação a países de economia moderna.

O Estudo encontra-se em cep.eu

António Justo

PN/Alemanha

NOTICIAS RELACIONADAS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *