A missão de construir um Centro Comunitário em Língua Portuguesa
Wednesday, December 12, 2018.

Por Alex Bigham – vereador do Council de Lambeth
A primeira mensagem que importa oferecer à comunidade de Língua portuguesa em Lambeth, é que o O Centro Comunitário que estamos a construir, tem bases para durar como veremos mais à frente.
No imediato, estamos perto de fechar um acordo para ter instalações num edifício mas não menos importante, é que algumas actividades já estão a acontecer. Por isso, o Centro Comunitário, precisa da sua ajuda.
Como vereador do Council de Lambeth e membro do Conselho do Centro Comunitário para a Língua Portuguesa, entendo ser momento de prestar alguns esclarecimentos e informação ao público interessado.
A ideia de construir algo a partir do zero, nunca é fácil. Basta pensar na construção de uma casa. O mais importante para que o trabalho seja bem feito, é que seja construido em bases sólidas. Caso contrário, em pouco tempo, a construção entrará em colapso.
Quando a Comunidade de Língua Portuguesa disse que queria apoiar a criação de um Centro Comunitário, o mais fácil para o Council de Lambeth administrado pelo Partido Trabalhista, seria entregar o dinheiro que poderia ter sido usado para alugar um grande edifício com bandeiras na fachada e que poderia durar um ou dois anos.
Em vez disso, com base no retorno da Comunidade, concordamos em trabalhar juntos para criar um Centro Comunitário que fosse sustentável e útil para a Comunidade, gerido pela própria Comunidade como um projecto a longo prazo.
O primeiro passo, foi a criação de uma organização que tivesse uma estrutura para poder gerir o projecto de forma eficaz. Isso, significou criar uma estrutura sem fins lucrativos para gerir as contas do projecto. Na prática, foi necessário criar um Conselho de directores para executar o projecto. Foi necessário reunir um conjunto de voluntários que têm trabalhado muitas horas sem qualquer recompensa para que o Centro Comunitário seja uma realidade.
Embora haja um elemento remunerado em tempo parcial, todos os restantes elementos dão o seu contributo gratuitamente. Este processo, tem demorado mais tempo do que o desejado e todos gostaríamos que as coisas pudessem correr de forma mais rápida. Houve porém, alguns atrasos, fruto de alguns desentendimentos que no entanto já foram ultrapassados. Hoje, existe uma equipa focada e comprometida nos objectivos que tem desenvolvido um trabalho árduo.
Outra das prioridades, foi fazer um levantamento das necessidades da Comunidade. Trabalhando com pesquisadores experientes e ajudados por grupos existentes como a Stockwell Partnership, foi possível produzir uma avaliação das necessidades que percorreu vários lugares onde a comunidade de LínguaPortuguesa é presença habitual, entrevistando cerca de 200 pessoas para esse fim. Daqui, foi possível identificar o que se poderia fazer para satisfazer as aspirações desta Comunidade na prossecução das soluções para as suas necessidades.
Provavelmente, os resultados não são uma surpresa para a maioria de nós mas são uma evidência sólida sobre as questões da Comunidade que servem de base ao trabalho do Centro Comunitário. São mais do que simples opiniões de algumas pessoas na liderança da comunidade.
Do trabalho feito sobre as necessidades da Comunidade de Língua Portuguesa em Lambeth, fica claro que é inaceitável que 53% dos entrevistados estejam desempregados com quase o mesmo numero ((54%) dizendo que a habitação era inadequada devido a superlotação ou degradação física dos edifícios. Uma grande parte dos entrevistas mostrou ainda estar preocupado como crime, sobretudo a violência juvenis e de gangues.
Outro dos resultados deste estudo, demonstrou que a Língua Inglesa é uma barreira enorme. Mais de oito em cada dez entrevistados disseram precisar de apoio com o inglês com quase dois terços (64%) afirmando que o seu inglês escrito é rudimentar. Esta talvez seja uma das razões para a dificuldade na integração – tanto dentro como fora da comunidade. Quase quatro em cada dez pessoas (39%), disse que os membros da Comunidade de Língua Portuguesa se relacionam mal uns comos outros e dois terços (66%) disse que esta Comunidade tem dificuldades de relacionamento com a Comunidade em geral em Lambeth.
Este estudo, demonstra ainda que a Comunidade de Língua Portuguesa, precisa de apoio para tratar de questões como o desemprego, competências linguísticas, habitação, alcool e abuso no consumo de drogas, saúde mentar, participação democrática e na violência contra as mulheres.
Estas são as prioridades que a Comunidade de Língua Portuguesa disse serem as mais importantes e o Centro de Apoio à Comunidade vai desenvolver soluções de apoio vocacionadas para estas vertentes através de programas de iniciativas com actividades, Formação e eventos que atendam a estas necessidades.
Algumas pessoas, têm perguntado porque razão estas soluções não estão já em curso?
Na verdade, estas actividades já estão em curso. No ultimo ano, o Centro de Apoio à Comunidade tem desenvolvido parcerias na organização de eventos e decorreram já iniciativas.
Uma sessão de esclarecimento para pais e filhos decorreu no sentido de informar sobre como acessar o ensino e um evento para pais sobre a importância de alfabetizar os seus filhos na Língua Portuguesa como Língua Materna.
Decorreu ainda um evento dedicada aos mais jovens para explicar como funciona a matemática financeira e uma sessão sobre o preenchimento dos formulários nos censos.
Entre outras actividades, foram criadas iniciativas de reforço bilíngue para pais e filhos para melhorarem as suas habilidades de informática. Também foi efectuada uma sessão sobre segurança na internet para pais e filhos.
Estamos também a desenvolver a organização de programas de treino para ajudar nas questões de emprego com ações de Formação nas áreas alimentares, bebidas e industria hoteleira com apoio ao nível da língua Inglesa
Da mesma forma, estão a ser envolvidos advogados locais para que a Comunidade de Língua Portuguesa possa obter aconselhamento jurídico gratuito.
Este relato, demonstra que o Centro de Apoio à Comunidade de Língua Portuguesa tem desenvolvido trabalho! No entanto, admitimos que muito está por fazer.
Fundamentalmente, precisamos do conselho, das opiniões e da ajuda de todos na Comunidade para garantir que as próximas iniciativas vão ser um êxito.
O terceiro passo, é criar uma ligação a partir da qual podemos fazer funcionar o Centro. Conheço muitas pessoas que desejavam que isso pudesse já ter acontecido há muito tempo – mas, novamente, o importante não é um edifício mas a criação de uma estrutura, uma rede, uma associação, as fundações desta empresa – de forma a que possam durar a longo prazo.
Contudo, tenho o prazer de anunciar que estamos perto de finalizar as negociações para a abertura de um espaço físico para o Centro de Apoio è Comunidade de Língua Portuguesa em Lambeth. Esperamos que este escritório possa estar concluído antes do final do ano. Toda a Comunidade está convidada e será bem vinda para visitar este espaço.
Em quarto lugar e sem dúvida o mais importante, é assegurar que este Centro Comunitário é sustentável e que poderá funcionar a longo prazo. Isso significa que haverá meios para reunir fundos para o centro de modo a que possa permanecer aberto mesmo depois de escoado o financiamento inicial libertado pelo Município de Lambeth. Isto, pode significar a abertura de um estebelecimento de cafetaria com os lucros a reverter para o próprio Centro, ou a contratação do mesmo Centro pelas empresas locais para aluguer de espaços para reuniões ou a utilização de espaço para escritório. Tudo isto, pode significar angariação de fundos regulares para sua manutenção mas o essencial, é que o projecto possa caminhar com os seus próprios meios.
Antes de finalizar, uma palavra sobre as finanças do projecto. Para ser honesto, muitas “fofocas” e falsos rumores se espalharam em torno da Comunidade afirmando que o dinheiro do Centro foi gasto ou desapareceu. Categóricamente, posso afirmar que isto não corresponde à verdade e cada “pi” está contabilizado nas contas anuais do centro que ficam arquivadas na Companies House.
Somos claros em relação ás questões financeiras e sobre as iniciativas desenvolvidas (toda a informação pode ser encontrada no nosso website em www.portuguesecc.org).
Das £500 mil iniciais alocadas pelo Município de Lambeth para o projecto, £460.000 foi foram depositadas numa conta bancária gerida pelo Community Capital Foundation que é uma entidade sem fins lucrativos independente especializada na gestão de fundos para grupos comunitários. nenhuma parte deste dinheiro foi gasto e na verdade este depósito está a render juros bancários para o Centro.
Este dinheiro, só será libertado para apoiar o trabalho do Centro Comunitário com a aplicação controlada de forma independente e apoiado por um plano de viabilidade.
Em causa, estão também os custos de funcionamento do Centro na sua gestão dia a dia, os projectos de combate ao desemprego como com apoio na aprendizagem de Informatica, desenvolvimento de escrita de CVs e aulas de idiomas.
As verbas, podem ainda ser utilizadas para financiar as aulas de certificação de higiene alimentar, suporte para as mulheres que sofrem de abuso e violência doméstica ou para executar projectos desportivos para jovens.
Que fique claro, que seja qual for a despesa, o projecto terá que passar por um processo de pedido formal e será objecto de avaliação e monitorização para garantir que o financiamento é bem gerido.
Uma quantia de “start up” inicial de £40.000 está a ser usada por um período de dois anos para cobrir os custos de avaliação de necessidades, o salário de um gestor do processo, a criação de um website e um estudo de viabilidade, a definição clara e legal das regras de funcionamento exigidas por lei para o Centro, bem como a elaboração de um plano de actividades e uma agenda financeira. Também o pagamento do espaço físico para funcionamento do Centro faz parte desta verba inicial.
Cerca de metade da verba foi já gasta ate ao momento e a outra metade será investida no espaço físico e no seu funcionamento até final do ano.
Como qualquer actividade, é necessário um pequeno pote de dinheiro para fazer arrancar o projecto.
Como se pode aferir, foram feitos progressos. Não tem sido tão rápido como todos nós desejamos e tem havido alguns contratempos ao longo deste percurso mas estamos chegando onde queremos e indo na direção certa.
Em quinto e ultimo lugar, importa referir que o Centro está a ser desenvolvido para si que é lusofalante. Nós precisamos do seu apoio. precisamos de ajuda com a angariação de fundos para o Centro. Precisamos da ajuda de voluntários que se envolvam com a administração deste projecto.
Temos seis membros no Conselho e um grupo de voluntários dedicados mas precisamos de mais. Precisamos das suas ideias sobre o tipo de programas que devem estar em execução e acima de tudo precisamos do seu entusiasmo.
Só com o seu apoio, podemos criar um centro que possa servir a todos os que falam português, ajudar esta geração e a seguinte com as oportunidades que merecem.
Alex Bigham é vereador pelo Partido Trabalhista no Município de Lambeth, eleito por Stockwell e membro da Direção do Centro de Apoio à Comunidade Lusófona ( abigham@lambeth.gov.uk ).
Se gostaria de se envolver no projecto, contacte o gestor Luis Ventura através dos contactosinfo@portuguesecc.org ou 075 846 71 515

NOTICIAS RELACIONADAS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *