O Estado do Hesse na Alemanha votou e o terramoto em Berlim começou
Monday, December 10, 2018.

Merkel tira as Consequências renunciando à Presidência da CDU.

As eleições estaduais do Hesse  e da Baviera chumbaram o governo alemão mas as leis do destino obrigam-no a continuar.

O Estado do Hesse, com 4,4 milhões de eleitores, 23 partidos a concorrer às eleições e uma participação de 73,2% de votantes, acorreu, no Domingo (28.10.2018), às urnas.  O resultado eleitoral, no Hesse, (em termos de expressão política para os partidos que fazem parte da Grande Coligação da federação (GroKo)), foi semelhante ao da Baviera:  27% votaram na CDU (cristãos democratas), 19,8% no SPD (Partido Social Democrata), 19,8% nos Verdes, 13,1% na AfD (Alternativa para a Alemanha), 7,5% no FDP (Liberais),  6,3% na Esquerda (Socialistas) e noutros partidos 6,5%.

Transportes e armazenamento

Em relação às últimas eleições os perdedores de votos foram a CDU -11,3%, e o SPD -10,9%; partidos que viram a sua percentagem engrossada foram os Verdes com + 8,7%, a AfD com +9,0%, o FDP +2,5% e Esquerda +1,1%.

Dos 137 lugares a ocupar o parlamento em Wiesbaden temos a CDU com 40 deputados, Vedes 29,  AfD 19, SPD 29,  FDP 11 e Esquerda 9.

Tanto nas eleições da Baviera como nas do Hesse, os partidos que fazem parte da GroKo (Grande Coligação CDU/CSU e SPD) perderam 22,2%; na Baviera tinham perdido 21,4%.  Resumindo: os eleitores castigam a CDU/CSU e o SPD passando a votar nos seus concorrentes Verdes e AfD. As eleições regionais revelam-se como votos de não-confiança no governo central.

Agência de viagens em Londres

Os membros dos partidos são de opinião que a GroKo prejudica a CDU (60%) e o SPD (54%); a parte mais esquerda do SPD está a passar para os Verdes. a parte mais esquerda do SPD está a passar para os Verdes e as partes da direita da CDU e do SPD estão a fugir para a AfD.

A Chanceler Merkel anunciou não querer continuar a ser a presidente do partido CDU; em dezembro  põe o seu cargo à disposição para novas eleições no congresso da CDU. Tenciona ficar apenas como chanceler até ao fim do mandato e anunciou não se candidatar às eleições de 2021. Certamente um próximo posto adequado à Doutora Ângela Merkel e à EU seria a presidência da Comissão Europeia.

A GroKo (coligação governamental em Berlim CDU/CSU e SPD) encontra-se em choque. Andrea Nahles (SPD): “O estado do governo não é aceitável”.  Na opinião de muitos politólogos novas eleições seriam uma catástrofe para o SPD.

Advogada Britânica

Os eleitores andam fartos de votar verificando que as suas vozes não são ouvidas nas altas esferas da governação. Por isso se dá uma debandada de votantes do SPD e da CDU/CSU para a Alternativa para a Alemanha (AfD) e para os Verdes.

A AfD tornou-se na sovela que pica nos músculos mais fortes dos partidos estabelecidos e isto em todos os estados federados.

A Alemanha sofre dos problemas da doença europeia que ela mesmo também fomenta. A política das portas abertas, para refugiados políticos e da pobreza, aliada ao comportamento de muitos refugiados muçulmanos na Alemanha, levam o povo a não encontrarem mais o seu lar político nos partidos do centro.

A insatisfação dos cidadãos com a governação da Groko, apesar de excelentes dados da economia alemã, é imparável. A política de asilo mudou fundamentalmente o clima social do país. Os partidos continuam a ignorar as preocupações de grande parte do povo que assiste ao combate sistemáticos a valores fundamentais da civilização ocidental, com a conivência e apoio dos partidos nacionais; com argumentos da nova ética europeia dos valores abertos, a Alemanha, com Bruxelas, no sentir do povo poe os valores ocidentais à disposição da civilização árabe.

Cabeleireiro NW10

Os meios de comunicação social com as elites do sistema criaram no povo o medo de se manifestarem abertamente porque quem apresente alguma crítica ao islão é logo considerado pelos seguidores do politicamente correcto como extremista e como racista; a opinião é domada pela arrogância dos que se julgam em poder da verdade e da democracia e como consequência leva o povo a ter medo e a ter de se calar manifestando-se drasticamente nas eleições.

Os partidos do arco do poder dão volta aos assuntos da política, julgando que com conversa e com a renovação de pessoas nos postos políticos resolvem o problema; mas, o eleitor alemão dá-se conta do que se passa e castiga-os porque o problema maior a resolver, para um povo rico como o Alemão, é o dos valores de uma cultura que, em vez de serem renovados, são sistematicamente destruídos, por uma agenda radical de esquerda e pelo alheamento da economia financeira. Na europa assiste-se a um movimento que parte das bases e de uma classe intelectual frustrada pelo domínio irreverente de uma classe que surgiu da geração 68 e luta contra as raízes da sua civilização e se distanciou arrogantemente do povo. O que o povo pretende é uma mudança de atitude por parte dos governantes.

Importador e distribuidor de produtos portugueses

No Hesse governa a coligação CDU e Verdes; na próxima legislatura os dois partidos poderiam constituir governo embora com uma maioria de apenas um assento. O mais provável será a continuação da mesma coligação.  Em Dezembro, Bouffier pretende apresentar o novo governo com Tarek Al-Wazir que defende uma política Verde pragmática.

Por: António da Cunha Duarte Justo

NOTICIAS RELACIONADAS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *