Palop News, Noticias em Portugues no Reino Unido

  • Aumentar fonte
  • Tamanho normal
  • Diminuir fonte
Home Reportagens Reportagens Salvem o bébé

Salvem o bébé

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Matéria publicada pelo Palop News em 2011 confirmada pelo Metro de Londres em 2013.
O jornal londrino "Metro" publicou em Junho informação sobre um caso de uma portuguesa que faleceu em 2011 a Norte de Londres. Nessa altura, a reportagem do Palop News apurou a eventualidade de negligência por parte da equipa do hospital que esteve na origem da morte da portuguesa que se encontrava grávida.
Em 2013, a confirmação da imprensa inglesa dá razão ao Palop News na questão das suspeitas, revelando que o hospital e a equipa médica estão sob instruções do Tribunal para que se apurem responsabilidades e se condenem os responsáveis.
A matéria publicada em 2011 pelo Palop News com o nome "Salvem o bébé" , relatava as últimas palavras da portuguesa antes de falecer e os contornos de uma história que finalmente chegou ás mãos da justiça britânica.
No texto a seguir, a matéria publicada pelo nosso jornal em 2011.
_______________________________________________________________________________________________________
A igreja de Dagenham encheu-se de "Língua Portuguesa" para uma despedida molhada de lágrimas a dois. Mãe e nado-morto, assistiram a palavras de saudade de quem já partiu e ainda estava presente. De corpo presente.
Maria João, faleceu aos 31 anos deixando três filhos entre os seis e os quinze anos levando um outro mais novo consigo num abraço de "madeira". Uma madeira feita em urna.
Natural da Ilha da Madeira, Maria João vem para Londres onde chega a professora primária, mesmo tendo chegado sem falar inglês. Exemplo de coragem e tenacidade, torna-se conhecida da comunidade em Barking, a Norte de Londres, pela sua capacidade de ajudar os outros. Conhecedora dos meandros do espírito inglês, Maria João leva a mensagem aos seus conterrânios portugueses em forma de letra de Lei, na vertente de um voluntariado nem sempre reconhecido.
A história seria igual a muitas outras, não fosse dar-se o caso de ter sido hospitalizada por diversas vezes nos últimos trinta dias que antecedem a sua morte. De internamento em internamento, a comunidade local conta que os diversos diagnósticos podem padecer de incúria médica deixando supôr uma alegada negligência médica. Em última análise, em termos legais, "podemos estar perante um caso de homícidio por negligência" - diz uma portuguesa presente no funeral ao PaLOP News.
A imensa multidão que acorreu à Missa de Corpo Presente, deixa perceber que Maria João, era uma pessoa conhecida da Comunidade Portuguesa onde colecionou amigos. Presentes, uma parcela significativa de colegas de trabalho da escola inglesa onde dava aulas. "Chegou-se a falar no fecho da escola para permitir aos alunos estarem presentes" - revela a mesma fonte.
A principal dor, assentava nos olhares dos três filhos e do viuvo, consternados pelo acontecimento. "Depois de ir buscar os filhos à escola, Adelino foi visitar a mulher ao hospital. Quando chegou tinha o cadaver da mulher e o do filho cobertos por um lençol. O bébé, deitado no peito da mãe" - conta uma amiga presente. Maria João, morreu grávida tendo gritado as suas últimas palavras à equipa médica: "Salvem o meu bébé".
Mau demais para ser verdade, acrescenta a dor ao facto de a família não ter grandes disponibilidades para custear um funeral que acontece depois de um período de doença que "varreu" as economias da família.
"Foram várias as intervenções num espaço curto de tempo para uma mulher que era o sustento da família" - ouve-se nos corredores laterais da igreja onde foi dada a missa, enquanto os presentes faziam uma ultima despedida. No tecto da igreja, a voz de Brian Adams. "Everything I do, I do it for you", acompanha as dezenas de olhos marejados de lágrimas à espera do resultado de uma autópsia que pode revelar verdades incómodas.
Na geografia da morte, o Queen's Hospital que tem registo de vários óbitos ocorridos ao longo do ano e sempre no mesmo departamento, segundo rezam as histórias locais e as notícias de jornais ingleses.
Na duvida, a família terá alegadamente exigido a autópsia para aferir das verdadeiras causas da morte desta portuguesa que deixa três filhos e um marido no desespero de ver partir o sorriso de mulher que dava o encanto à família. No seguimento das mesmas suspeitas, terão já conseguido um acordo com um escritório de advogados que tudo fará para apurar a verdade dos factos e cuja investigação oficial terá resultados tornados públicos.
Refira-se que este hospital tem um extenso histórico no mau atendimento ao público com especial destaque para o serviço de Obstetrícia onde em 2011 já morreram cinco pacientes e alguns nascimentos foram nado-mortos.
O Queen's Hospital tem sido severamente criticado na imprensa inglesa havendo mesmo um relatório já publicado que refere "insuficiências nos cuidados de emergência e radiologia".
No mesmo hospital, foram registados casos de violência verbal por parte do quadro de pessoal em relação aos pacientes revelando "um atendimento pobre e um comportamento abusivo e pouco profissional por parte do seu pessoal com especial incidência na secção da maternidade".
Na zona de Barking e Romford no Norte de Londres, são os portugueses que ficam mais "pobres" por verem desaparecer o espelho daquilo que Maria João "semeou" antes de partir abraçada à parte de si que nunca viu nascer.

 

Comentar


Código de segurança
Actualizar


Page Peel Banner

Tradutor

Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária
Faixa publicitária

JoomCategories for JoomGallery