Palop News, Noticias em Portugues no Reino Unido

  • Aumentar fonte
  • Tamanho normal
  • Diminuir fonte
Home Notícias gerais Notícias gerais De montanha em montanha ate ser Serrana

De montanha em montanha ate ser Serrana

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Adelino Mendes foi mais um português a chegar à grande Capital de Inglaterra disposto a encontrar uma vida diferente. Duas décadas depois, garante tê-la encontrado numa esquina de Stockwell, um dos locais com maior concentração de portugueses em Londres. Hoje, festeja o 11º aniversário dessa aventura que nasceu em Lambeth e que dá pelo nome de Serrana e alberga um café e um supermercado em simbiose de espaços.

Iniciou o seu primeiro negócio paredes meias com o British Museum a trabalhar com um italiano que foi a sua escola para os negócios em Londres. "Foi um patrão e um amigo. Quase um pai" - diz Adelino Mendes a desfolhar memórias - "Entrei a lavar loiça e fazia o possível para ter a pia vazia rapidamente. De pouco adiantava. Assim que estava vazia, vinham as polacas e enchiam a pia de novo" - diz.

Foi este italiano que reconheceu a confiança e a fidelidade do empregado que mais tarde lhe daria as ferramentas para arrancar com a sua própria actividade. "Era uma pessoa desconfiada e atenta. Nessa época ganhamos o prémio da melhor casa de sandes de Londres. Por vezes, deixava-me levar as gorjetas para casa e trabalhei com ele seis anos" - afirma Adelino Mendes.

Com a doença do patrão italiano, Adelino Mendes dá o primeiro salto e aluga um espaço com 150 lugares sentados. "Pagava 3 mil libras de renda por semana e a casa continuava a não ser minha. Deus ajudou-me a sair deste compromisso.
"Parei a actividade comercial por algum tempo e fui trabalhar para o Frescos" - revela. Foi aqui que o patronato terá convencido Adelino Mendes a uma aventura comercial. Desse tempo, recorda um episódio que deixou marcas. "Todos os dias chegava às 6 da manhã. Um dia, cheguei com um ligeiro atraso de dois minutos e mandaram-me sentar e assim fiquei todo o expediente. Foi um momento muito duro. Nunca mais cheguei atraso. Foi com esta gente que cresci e aprendi muito do que sei hoje" - revela para acrescentar - "Todos os meus colegas desse tempo têm hoje os seus estabelecimentos. Foi uma escola" - finaliza. Para o empresário, o segredo está em manter "uma boa relação com os colegas de trabalho e a dedicação e fidelidade à empresa. No dia que me despedi, recebi uma prenda" - adianta.

A primeira aventura começou em Victoria no centro de Londres onde hoje existe a House of Fraser. "Como no resto da vida, foi importante o apoio da minha família e a minha mulher foi uma ajuda preciosa" - confessa. Ainda em Victoria, Adelino mendes lança os olhos aos portugueses em Stockwell e pouco tempo depois tomava como seu o restaurante Conquistador e logo a seguir, com a saída de um banco português numa esquina, haveria de aparecer a Serrana que agora completa 11 anos. Em pouco tempo, o empresário detinha três estabelecimentos.
Nem tudo terá corrido bem. O resttaurante "foi o meu maior erro" - confessa.

Perdeu dinheiro, viu baloiçar a estabilidade familiar e seguiu em frente com a força de que queria conseguir. Victoria ficou para trás mas não esquecida. "Ainda hoje quando visita Victoria, as clientes lhe oferecem prendas e chamam por ele" - diz Vera Ramos, filha do empresário para acrescentar - "Quando não temos maldade não cultivamos a maldade".

Acabou por restar apenas o estabelecimento de Stockwell que viria a crescer para uma dimensão que hoje se conhece. "Com o tempo foi entrando pessoal. Part-time ao início, passaram mais tarde a full-time e hoje são 10 as pessoas que trabalham no estabelecimento" - revela.

Há cinco anos atrás, as designers inglesas que ocupavam o espaço ao lado, decidiram mudar, deixando o espaço livre. A Serrana, cresceu para o dobro. Loiças, congelados, mercearia e sobretudo vinhos, acabaram por entrar num lote de produtos que hoje atende a milhares de portugueses que residem em Londres mas é na charcutaria que o Serrana assenta uma boa parte dos seus argumentos, com os queijos e enchidos de eleição. "São os produtos da nossa nostalgia que se tornam uma referência" - diz Vera Ramos.

As reclamações, vão para o Município que parece não acarinhar as empresas portuguesas com a deferência merecida. "Nunca dei problemas ao "Council" e creio que eles poderiam olhar para nós com maior disponibilidade" - reclama Adelino Mendes.

Sem dias de encerramento ao longo do ano com excepção para o dia de Natal, a Serrana prepara-se para permanecer no local pelo tempo possível. A nova legislação que desobriga os senhorios de renovar o "lease", pode também ser a oportunidade de continuar a crescer em função dos estabelecimentos circundantes. Para o empresário, crescer é sempre o melhor caminho. "Quem sabe um dia o vizinho do lado vai embora e podemos continuar a crescer" - pergunta.

O empresário que optou por investir em Portugal, olha agora para Londres como uma oportunidade maior e percebe que é em Londres que vai continuar. "Quando vou a Portugal canso-me depresassa da falta dos clientes e da família" - revela para acrescentar - "Em pouco tempo quero voltar".

Será tempo para pensar de outra forma e olhar um futuro diferente? "Não penso na reforma. A palavra reforma é uma palavra idosa" - diz o empresário que afirma que vai continuar a trabalhar como até aqui e a contar com o apoio da filha que o acompanha na gestão das empresas. Apesar dessa vontade, o empresário admite que os negócios estão já maduros o suficiente para poderem continuar mesmo na sua ausência mas não cede. "Eu preciso das empresas e acredito que as empresas precisam de mim" - conclui.

O êxito da Serrana, é para o empresário a simbiose de uma personalidade e um estilo que só se interpreta de uma forma. "O que me leva a confiar nas pessoas, é o facto de eu confiar em mim. Confio nas pessoas que trabalham comigo porque enquanto fui empregado transmiti essa mesma confiança. Confiro as contas da empresa de forma semanal. Não sinto um apelo diário pela gaveta do dinheiro. Sei que as pessoas que trabalham comigo merecem a minha confiança. É essa mesma confiança que sinto que os nossos clientes têm em nós" - afirma.

Sobre a massa empresarial portuguesa no Reino Unido, Adelino Mendes não faz por menos: "São tudo boa gente. Várias vezes tentaram prejudicar a Serrana mas quando somos fortes, quando temos uma família forte, quando somos fieis aos nossos fornecedores e aos nossos clientes todas as montanhas são ultrapassadas. Fomos visitados várias vezes, fiscalizados de forma intensa mas sempre apresentamos o nosso trabalho dentro da Lei. O respeito, é também ele uma forma de confiança" - diz e acrescenta - "Cada vez que me empurram é força que me dão".

Quanto aos portugueses no Reino Unido, Adelino Mendes diz que são fantásticos. "O importante é sermos capazes de ajudar. A generalidade dos portugueses que conheço são solidários. Há outros um pouco diferentes mas são poucos".
Questionado sobre passar a operar também fora de Londres, Adelino Mendes recusa a ideia. "Penso noutros espaços mas sempre em Londres. Gosto de estar perto da família. Acho que a minha mãe é culpada por eu ser assim" - risos.
Quando perguntamos a quem se deve o êxito, a resposta é pronta.
- Aos nossos clientes sem dúvida. Sem eles nada seria possível.

Artigo e foto: PN
26/04/2017
 

Comentar


Código de segurança
Actualizar


Page Peel Banner

Tradutor

Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária

JoomCategories for JoomGallery